Programa da IBE, Intersector Alliance, implementa gestão mais segura em meio à cenários incertos

Resultado das urnas gera cenário de dúvida e alta expectativa

O País passa por um delicado momento econômico e político. A definição do segundo turno das eleições presidenciais ajustou os mercados, elevando os preços dos ativos. A alta da Bolsa de Valores foi puxada pelas estatais, uma reação natural aos resultados das urnas no primeiro turno. Mas, agora, os investidores se preparam para a definição entre os dois candidatos restantes à presidência da República.
 
De acordo com especialistas da Fundação Getulio Vargas (FGV), além da inflação alta, alguns dos desafios que o governo eleito terá que enfrentar é a perspectiva de desaceleração do PIB, o aumento dos índices de desemprego e uma ampla reforma tributária. Para comparação, o Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) da Fundação Getulio Vargas apresentou queda de 2,7% em setembro de 2014 na comparação com o mês anterior, atingindo 71,6 pontos, seu menor nível desde maio de 2009 — considerando os dados com ajuste sazonal. Esta é a sétima queda consecutiva do índice, confirmando a tendência de piora no mercado de trabalho.
 
Segundo o pesquisador da FGV/IBRE, Fernando de Holanda Barbosa Filho, “A contínua redução nas projeções de contratações futuras mostra que o desânimo em relação ao crescimento do PIB e da atividade econômica estão se disseminando em ritmo mais forte no mercado de trabalho. Em especial, observa-se um grande pessimismo no setor de serviços, o grande responsável pelo bom desempenho do mercado de trabalho nos últimos anos. Neste sentido, o cenário futuro não parece animador”.
 
Independente da vitória de Aécio ou Dilma, a atual situação em que se encontra o Brasil indica uma tendência e expectativa nada animadoras para o futuro de nossa economia. Para reverter esta situação e retomar o crescimento, é imprescindível que o empresariado, atento às mudanças, se una para o desenvolvimento de modelos integrados de gestão e compartilhamento de conhecimento e competências, a fim de driblar tal cenário, fortalecendo-se mutuamente os três setores da sociedade. Um plano estratégico aplicado isoladamente em uma empresa, organização, resulta em uma pequena variação de 5% na performance global. Quando a implementação estratégica do plano é feita por meio de uma rede de aprendizado, o resultado de variação da performance global é 12x maior.

Pensando nisso, o Intersector Alliance foi idealizado e formado para atender às demandas e necessidades de crescimento do país, no que convoca os três setores da sociedade para compartilharem competências e se apoiarem mutuamente. Promove em sua estrutura o encontro de CEOs, os altos executivos, a fim de diminuir o isolamento dos mesmos na tomada de decisões. É uma aliança que conta com o apoio e parceria da Prefeitura de Campinas, o CIESP e instituições como CEBRAF (Confederação Brasileira de Fundações), APF (Associação Paulista de Fundações), e a Fundamig (Federação Mineira de Fundações e Associações de Direito Privado).

De acordo com o presidente da IBE, Heliomar Quaresma, a intenção da aliança é expandir o conhecimento, proporcionar condições para que empresas e instituições públicas e não governamentais cresçam e gerem benefícios para a sociedade. “Queremos levar as ferramentas mais modernas de marketing, logística, gestão de pessoas, enfim, tudo que há de mais novo na gestão de uma companhia e que é praticado nas maiores empresas do mundo, com as devidas adequações ao ambiente e à proposta institucional de cada organização”, diz.

De acordo com o Sebrae, 70% da empresas encerram suas atividades quando o líder finaliza seus negócios, 50 % das organizações acabam na passagem da primeira para a segunda geração e 34% na sobrevivem na transição da segunda para a terceira geração. O Intersector Alliance proporciona uma mudança neste quadro. Quaresma ressalta a importância do programa pelos benefícios que serão gerados para a sociedade. “A intenção é que seja formado um ciclo em que todos possam ganhar. É a ideia de valor sustentável somada à de valor compartilhado. O choque de gestão será promovido por meio das ferramentas modernas da administração que serão compartilhadas entre as instituições. Isso gerará mais produtividade, quantidade e qualidade em todos os aspectos. Essa mudança na forma gerencial proporcionará melhores ganhos e receitas para as organizações, que poderão investir mais em inovação e cumprir suas missões, em especial adotando a gestão social que envolve os stakeholders, contribuindo e participando mais com da administração pública. Todo esse desenvolvimento será revertido para as pessoas”, destaca o presidente.
 
Sobre Intersector Alliance

O Intersector Alliance é um programa de consultoria organizacional que tem por objetivo desenvolver e implementar um modelo estratégico de gestão através de metodologias estruturadas com base nas melhores técnicas de mercado, com profissionais de comprovada competência. Além disso, proporciona uma rede de aprendizado e troca de experiências entre empresas, organizações e entidades dos três setores, visando incrementar exponencialmente os resultados globais e a competitividade.

O programa funciona como uma rede de conhecimento que usa metodologia e ferramentas gerenciais, além de promover a capacitação estratégica da equipe de gestão para produzir uma performance sustentável da empresa participante.
 
O grupo consiste em cerca de 15 empresas não concorrentes, organizações ou entidades do 3º setor, sendo que a própria organização é quem designa os participantes, incluindo CEO, diretores e gerentes estratégicos. O contrato firmado é de 30 meses, sendo 2 módulos de 12 meses, mais 6 meses de COMPLEMENTO, conforme necessidade percebida nos meses anteriores

Sobre a IBE-FGV
 
A Fundação Getulio Vargas, fundada em 1944, é reconhecida como a melhor escola para preparação de executivos do Brasil. A IBE-FGV começou em 1996 e atualmente forma a maior e mais completa rede de escolas de negócio FGV no interior paulista e uma das maiores do Brasil. A IBE-FGV já formou mais de 30 mil executivos e possui unidades nas cidades de Americana, Campinas, Jundiaí, Limeira, Piracicaba, Vinhedo e Rio Claro.